sábado, 20 de fevereiro de 2016

desalentos

  
  Até ao nascer é preciso ter sorte.
  Não no sentido de haver um destino ou algo pré-definido.
  É mesmo preciso ter sorte:
  sorte com a mãe,
  sorte com o pai,
  sorte com o pai e com a mãe,
  sorte com os irmãos,
  sorte com os avós,
  sorte com os tios,
  sorte com os vizinhos,
  sorte com aqueles com quem nos cruzamos,
  sorte com  todas as variantes resultantes da combinação dos elementos anteriores,
  sorte apenas.
  Algo que não se escolhe,
  algo a que não se pode fugir,
  sobretudo se ainda se é criança e não se pode escolher, fugir, resguardar.
  Sorte quando aqueles que é suposto darem proteção são aqueles de quem era preciso saber fugir.
  Não me venham dizer que não.
  Que até ao nascer é preciso ter sorte.
Imagem daqui.

2 comentários:

  1. É preciso sorte ao nascer - sorte em relação aos progenitores, à sociedade e até em relação ao país onde se nasce. Não é só uma questão de fragilidade e de vulnerabilidade. É mesmo uma questão de sobrevivência.
    A foto é lindíssima e Dvorak deixa-me sem palavras.

    Um beijinho, Princesa

    ResponderEliminar