segunda-feira, 11 de junho de 2018

fechamos os olhos e vamos em linha reta?

Não vos vou deixar à espera: digo-vos já que a resposta é não.

Procurei uma vida em linha reta, sem grandes sobressaltos.

Há quem fuja das linhas retas da vida, para fugir da monotonia. Eu, sem sair do lugar, vivi sempre

em sobressalto, pois os imprevistos chegavam em catadupa. Não precisei de os procurar.

Procurei o melhor de cada um dos que me rodeavam. Fechei os olhos e não vi o que devia ver.

Em vez disso, escondi, nos confins das malas, aquilo que devia ter visto. Dei oportunidades a quem

as não merecia. Deixei-me, também, esquecida no fundo das malas das viagens que não fiz.


A vida? Revejo-a agora e não a reconheço. Parecia-me, contudo, uma longa e monótona linha reta,

com futuro certo,  traçado  até ao fim. Em vez de uma reta,  tem sido uma longa e perigosa

m   
  o     t   a   
    n        n 
                h 
                   a russa.

                       O futuro é incerto.

                                                            Nada do que parecia certo está agora assegurado.
                  l
              o    t
Nestas v         a
                          s da vida, renasci. Procuro ainda encontrar os meus restos, vasculhando nos

 fundos

            das
                    malas
                                onde
                                            me
                                                     escondi.

Poderei finalmente  sair do lugar e viver as minhas aventuras.